malwaO uso de serviços de Internet Banking tem ganhado adeptos e, consequentemente, a atenção de cibercriminosos, que se aproveitam da facilidade para aplicar golpes. No ano passado, foram registrados ataques em quase 900 mil computadores pelo trojan Zeus, um tipo de vírus que é disseminado por e-mails falsos disfarçados de mensagens enviadas pelos bancos. Com o método, o malware aproveita falhas no Windows para infectar o computador da vítima e roubar as informações que precisa, além de, também, dinheiro da conta bancária.

O malware consegue se propagar de diversas maneiras, como pelo monitoramento de teclado virtual, no qual registra tudo o que o internauta digita. Dessa maneira, o cibercriminoso capta informações confidenciais como senhas e demais combinações de teclas digitais. Os teclados virtuais também são utilizados por meio da anulação do sistema para introdução de dados de forma segura, deixando-os vulneráveis.

O ataque pode ser realizado pela captura de imagens da tela do computador, que são enviadas para uma conta de e-mail do criminoso ou, ainda, acessadas de forma remota. Os vírus bancários também se passam por sites idênticos aos originais, captando informações digitadas pelas vítimas para aplicar os golpes.

Os malwares bancários também são capazes de controlar as conexões do navegador das vítimas, obtendo os dados da conta digitada no site do banco ou, ainda, modificando o conteúdo da página do banco para solicitar informações confidenciais, como número do cartão bancário, senha e demais. Os cibercriminosos ainda utilizam o método de avisar ao usuário que o token digitado no site do Internet Banking é falso, abrindo a possibilidade de escolher um novo, que será roubado para golpes.

De acordo com analistas da Kaspersky Lab, o trojan bancário aplica os golpes por meio de múltiplos alvos ou diretamente a clientes de um único banco. Para isso, os usuários que utilizam o serviço de Internet Banking precisam ficar atentos aos e-mails estranhos, além de navegar na internet com cuidado.

Leia Também:

Chega a 1 mi número de malwares móveis e aplicativos de alto risco

Cresce o número de malwares com certificado digital legítimo, diz McAfee

Número de malware que ‘sequestram’ PCs cresce 200%

Fonte: TechTudo