Desculpas públicas, multas e até sentenças de prisão são apontadas como punição para executivos que não protegem seus negócios

person-851211_1280-1.jpg

Uma pesquisa global conduzida pela empresa de proteção de dados Veritas Technologies revela que cerca de 40% dos consumidores responsabilizam os líderes empresariais por ataques de ransomware que a companhia sofre. O levantamento mostra que, muitas vezes, o cliente quer restituição de empresas que não se protegem de invasões — 65% dos entrevistados disseram querer indenização e 9% desejando, até mesmo, que o CEO seja levado à prisão.

As duas coisas mais importantes que as empresas devem ter em mente, segundo seus clientes, são softwares de proteção (79%) e cópias de backup de seus dados (62%).

A pesquisa, que abrange seis países e ouviu 1.200 consumidores, também parece mostrar um paradoxo quando se trata de pagar resgates para ataques de ransomware. A maioria das pessoas (71%) querem que as empresas se levantem contra os cyber-bullies e se recusem a pagar resgates para obter seus dados de volta. No entanto, quando o assunto se torna mais pessoal, com uma ameaça direta aos seus próprios dados, muitas pessoas mudam de ideia e querem negociar para proteger suas informações. Quando se trata de seus dados financeiros, 55% dos entrevistados querem que os fornecedores paguem o resgate para facilitar a devolução de seus registros.

O estudo mostra ainda como alguns consumidores rapidamente perdem a paciência com empresas que arriscam seus dados através de ataques de ransomware. A maior parte dos entrevistados (44%) pararia de comprar de uma empresa que tivesse sido vítima de tal crime.

A pesquisa, que abrange consumidores da China, França, Alemanha, Japão, Reino Unido e EUA, revelou alguns padrões interessantes que emergem de país para país:

• China: as pessoas têm a maior tendência a mudar de ideia sobre negociar com cibercriminosos, quando são suas próprias informações atacadas. 80% dos entrevistados acreditam que as empresas não devem negociar em geral; quando se torna uma questão pessoal de recuperação de seus próprios dados, esse número cai acentuadamente para apenas 16%;

• Reino Unido: têm os sentimentos mais fortes sobre enfrentar as demandas de cyberbullying, com 81% acreditando que as empresas não devem negociar com os criminosos;

• França: parecem ser os entrevistados mais indulgentes, com 24% querendo culpar os chefes da empresa, pouco mais da metade (55%) acreditando que ninguém além de criminosos podem ser culpados por ataques de ransomware, e apenas um terço (36%) considerando a queda dos serviços de uma empresa após um ataque;

• Japão: inversamente, os japoneses e chineses são os menos indulgentes, com 49% e 51% abandonando os serviços da empresa após um ataque, e a China, em particular, procurando culpar diretamente os chefes do negócio (66%);

• Alemanha: são mais vociferantes quanto à punição severa para os líderes após um ataque, com 29% daqueles que culpam os líderes, que querem também uma sentença de prisão;

• Estados Unidos: a atitude mais comum para aqueles que culpam os líderes é buscar multas como punição, com cerca de 41% dos entrevistados.

Fonte: CISO Advisor (https://www.cisoadvisor.com.br/consumidor-considera-ceo-responsavel-por-ataques-de-ransomware/)