Empresa inventou a criptografia homomórfica em 2009, que permite prrocessar dados criptografados sem decodificá-los, mas só agora há recursos computacionais para colocá-la em prática no dia-a-dia

A IBM anunciou no final da semana passada a disponibilidade de kits de ferramentas de código aberto que permitem o processamento de dados mesmo ​​enquanto ainda estão criptografados. Segundo a empresa, há décadas a criptografia moderna protege dados sensíveis em transmissão ou armazenados: “No entanto, nunca conseguimos manter os dados protegidos enquanto estão sendo processados”.

Os kits de ferramentas agora publicados, implementam segundo a empresa a criptografia totalmente homomórfica (Fully Homomorphic Encryption), que permite o processamento de dados criptografados sem dar acesso aos dados reais. Os kits já estão disponíveis para macOS e iOS, e a IBM também está finalizando versões para Android e Linux. A IBM inventou a FHE em 2009, mas até agora seu uso era impraticável, porque o processamento era muito lento.

No entanto, informa a empresa “nos últimos anos, graças aos avanços algorítmicos, a Criptografia Totalmente Homomórfica atingiu um ponto de inflexão em que seu desempenho está se tornando prático. Isso revoluciona a segurança e a privacidade dos dados e o modo como terceirizamos a computação para nuvens não confiáveis ​​”.

A IBM informa que o uso da FHE é ideal para aplicações sensíveis, como as dos setores financeiro e de saúde, permitindo que os dados sejam compartilhados sem estarem expostos durante o processamento. Os kits de ferramentas lançados na semana passada pela IBM facilitam a implementação da FHE pelos desenvolvedores.

Outra utilização, propõe a empresa, é no aprendizado de máquina. Os desenvolvedores de sistemas para essa finalidade podem treinar seus modelos usando dados criptografados fornecidos por terceiros que analisem o mesmo tipo de problema, sem que os dados reais sejam disponibilizados. Eli Dow, cientista da IBM, explicou em um post no blog da companhia que se “por exemplo todos os prestadores de serviços de saúde do planeta poderiam reunir registros criptografados de pacientes para permitir análises dos dados sem divulgar nada sobre os indivíduos envolvidos. Pense no progresso que poderia ser feito com relação ao tratamento de certos tipos de doenças”.

Dow acrescenta: “Como você pode perceber, o conceito se generaliza em análises e armazenamento em nuvem para indústrias reguladas em geral. Basicamente, a maioria dos cenários em que o compartilhamento de informações colide com o paradoxo de ‘preciso saber’ versus ‘precisa compartilhar’ se beneficiará da FHE”.

Fonte: CISO Advisor (https://www.cisoadvisor.com.br/ferramentas-da-ibm-ja-processam-dados-criptografados/)