A empresa informou ontem ao mercado que houve acesso aos dados de 621 clientes da subsidiária NTT Communications; um dos clientes é o Ministério da Defesa

Informações sobre as redes de comunicação que atendem as Forças de Autodefesa do Japão podem ter vazado durante ataques cibernéticos ocorridos na NTT Communications, informou uma fonte familiarizada com o caso. Na quinta-feira dia 28 de Maio, a NTT Communications informou ao mercado que informações sobre 621 clientes podem ter vazado por causa do acesso não autorizado à sua rede. A empresa se recusou a divulgar os nomes dos clientes, citando a necessidade de manter sua privacidade. Disse também que se não comentará se as informações relacionadas à defesa poderiam ter vazado.

A NTT é uma das maiores empresas de telecomunicações do mundo, a 64a em valor de mercado e a maior telecom do Japão.

Os vazamentos suspeitos envolvem informações sobre equipamentos de comunicação e layout de uma instalação da Força Marítima de Autodefesa em Yokosuka, no município de Kanagawa, bem como sobre linhas de comunicação em cerca de dez bases militares. Mais de 100 arquivos de dados foram acessados sem autorização, de acordo com a fonte. Toda a informação estava ligada a assuntos que a NTT Communications havia recebido do Ministério da Defesa.

As informações não parecem ser “segredos”, conforme declarações do Ministério, mas existe a preocupação de que as informações vazadas possam prejudicar uma rede de comunicações entre o órgão e as forças de autodefesa. O Ministério da Defesa está investigando em cooperação com a empresa, afiliada da Nippon Telegraph e Telecom Corp., suspeitando que os possíveis vazamentos possam afetar as operações do sistema central do SDF, disse a fonte na quinta-feira (28/05).

Segundo a fonte, a empresa fechou as comunicações da rede com a Internet após detectar atividades anormais contra seus servidores em 7 de maio. No dia 13 de maio, as investigações descobriram que havia possíveis vazamentos. A empresa encontrou vários acesso não autorizado a informações relacionadas ao Ministério da Defesa entre os dias 4 e 5 de maio, por meio de um servidor com endereço em Cingapura.

A NTT Communications informou o caso ao Ministério em 13 de maio, mas disse que não receia que haja vazamentos de segredos e informações secretas, disse a fonte.
O caso é o mais recente de uma série de ataques cibernéticos contra empresas japonesas relacionadas à defesa, como Mitsubishi Electric Corp., NEC Corp. e Kobe Steel Ltd. Um ataque à Mitsubishi Electric em janeiro pode ter fornecido aos hackers dados sobre a capacidade de um novo míssil de alta velocidade.

Com agências internacionais

Fonte: CISO Advisor