Mercedes-AMG Petronas, Goldman Sachs, Telstra e TransPark contam histórias inspiradoras de liderança e inovação na Segurança e destacam como driblar ações maliciosas com a regra 1-10-60, que consiste em um minuto para detectar uma invasão, 10 minutos para investigar e uma hora para remediar

Por: Léia Machado

Os modelos tradicionais de Segurança são colocados à prova, principalmente nos tempos atuais em que o home office é a única opção. De fato, a pandemia está trazendo um “novo normal” para as empresas, com praticamente 100% dos colaboradores trabalhando de casa com acesso remoto e, em muitos casos, usando equipamentos pessoais para entrar nas redes corporativas.

Além claro, do desafio constante dos CISOs em enfrentar as organizações cibercriminosas que seguem firmes nos lançamentos de ataques que podem parar a empresa. Os ataques cibernéticos não entram em quarentena!

Para driblar esse cenário extremamente desafiador, a Crowdstrike defende o conceito de proteção que consiste na regra 1-10-60: um minuto para detectar uma invasão, 10 minutos para investigar e uma hora para remediar.

Empresas globais como Mercedes-AMG Petronas, Goldman Sachs, Telstra e TransPark contam histórias inspiradoras de liderança e inovação na Segurança diante desse cenário. O destaque dos cases é como essa regra 1-10-60 é ainda mais eficaz quando as soluções são nativas na nuvem.

A história completa você pode conferir no e-book produzido pela equipe da Security Report, em parceria com a Crowdstrike.

Fonte: Security Report