Yanis Cardoso Stoyannis, Gerente de Consultoria e Inovação de Cyber Security da Embratel, destaca os principais desafios ao implementar uma Metodologia de Avaliação de Segurança e LGPD. O projeto, que foi vencedor Prata no Prêmio Security Leaders em 2019, surgiu com objetivo de desenvolver um framework que possibilite uma avaliação padronizada de adequação à lei para clientes da empresa

Por mais que agora o futuro da LGPD esteja confuso com o vai e vem de datas para entrar em vigor e disputa entre Executivo e Legislativo, as empresas seguem com seus projetos de adequação. É o caso da Embratel, que desenvolveu uma metodologia inovadora para determinar os riscos associados ao vazamento e comprometimento de Dados Pessoais, considerando os aspectos tecnológicos relacionados da TI e a comunicação, comportamento humano, regulatórios e jurídicos.

O projeto, que foi vencedor Prata no Prêmio Security Leaders em 2019, foi totalmente idealizado pela equipe de consultoria e inovação da diretoria de CyberSecurity e contou com profissionais experientes para compor o time com a missão de desenvolver o framework de Assessment de Segurança e LGPD. Cada etapa do processo foi minuciosamente discutida com a equipe de consultores, sob a orientação de Yanis Cardoso Stoyannis, Gerente de Consultoria e Inovação de Cyber Security da Embratel.

Segundo o executivo, a metodologia do projeto foi desenhada para auxiliar clientes da Embratel a superarem o desafio de atender os requisitos da LGPD através do desenvolvimento de um programa orientativo, consistente e eficaz. “O projeto foi patrocinado pela Diretoria Executiva de Soluções Digitais da Embratel, que percebeu a importância em desenvolver uma metodologia própria para atender as solicitações dos clientes. Além disso, é importante destacar para o mercado que a Embratel investe constantemente no aprimoramento de serviços especializados de TI e Segurança”, comenta Stoyannis.

Qualidade na condução

Assim como todo o início de projeto, surgiram os desafios que consequentemente são enfrentados pelos envolvidos, um deles foi o desenvolvimento do próprio framework, que precisava ser abrangente, empregando um conjunto de conceitos técnicos e regulatórios para resolver o problema de falta de padronização. A equipe analisou detalhadamente todos os aspectos da LGPD e a sua implicação no ciclo de vida de informações pessoais. Cada etapa de tratamento de dados foi verificada para identificar potenciais riscos de violações de atendimento da lei.

“Estabelecemos um critério de avaliação de maturidade baseado em indicadores quantificáveis. Foram incorporados pontos de checagem para garantir consistência em cada etapa do processo e possibilitar a geração de resultados confiáveis. O desenvolvimento do modelo exigiu muito esforço e dedicação dos profissionais envolvidos”, acrescenta o executivo.

Para garantir a qualidade na condução dos projetos, todas as ações foram supervisionadas pelo Centro Compartilhado de Consultoria de Segurança e LGPD da Embratel, desde a etapa de planejamento, seguida de levantamentos das informações, desenvolvimento das análises, construção dos planos de ação e demais demandas. Os trabalhos foram suportados através de uma aplicação para automatizar boa parte do processo de avaliação. Cada projeto executado retroalimenta o modelo com novos insights que possibilitam fazer ajustes dos parâmetros de configuração do sistema.

Lições Aprendidas
O executivo destaca que a principal ação no início do projeto foi estabelecer uma estratégia transparente com a direção da organização. Esta etapa foi fundamental para obter apoio de áreas essenciais da empresa para garantir sucesso do projeto, como Vendas, Pré-Vendas, Estratégia, Produtos e Operações.

“Para obter confiança e apoio destas áreas, foi necessário desenvolver uma apresentação executiva contendo uma série de fatores como o objetivo do projeto, as tendências internacionais de regulamentações de privacidade, comparando-as com o cenário nacional, justificativas técnicas e mercadológicas para desenvolvimento de um serviço de consultoria próprio da Embratel. Além de uma visão geral da metodologia proposta destacando-se os principais conceitos e, por fim, demonstrar que os resultados poderiam alavancar novas oportunidades de serviços com clientes”, explica Stoyannis.

Na fase final do projeto, foi desenvolvido um plano interno de comunicação e capacitação das áreas envolvidas e a divulgação da solução para o mercado em geral. “Foi um trabalho extenso que exigiu a colaboração de várias áreas internas da empresa. O comprometimento e profissionalismo dos consultores foram fundamentais para o sucesso desta iniciativa” finaliza Yanis Cardoso Stoyannis.

Fonte: Security Report