Lei Geral de Proteção de Dados entrará em vigor em agosto, mas o país não está preparado para se adequar à nova legislação. Mais da metade das pequenas empresas (58%) ainda não se adaptaram, segundo a ICTS

Image result for lgpd

Por: Simone Kafruni

Na era digital, o direito à privacidade quase nunca é respeitado. Dados pessoais são tratados como mercadorias, o que compromete a liberdade e o sossego dos usuários de quase todo o tipo de serviço. Os brasileiros terão um importante aliado na defesa de informações sensíveis a partir de agosto, quando, em tese, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrará em vigor. Apesar de faltar menos de seis meses para a adequação à legislação, o Brasil não está preparado.

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão regulador e fiscalizador criado apenas no papel, está longe de entrar em operação. Se o governo não dá exemplo, o setor privado não fica atrás. Levantamento realizado pela ICTS Protiviti, empresa de pesquisa de mercado, revela que 58% das pequenas empresas ainda não se adaptaram para cumprir a lei e, de acordo com estudo do Reclame Aqui, mais de 41% dos empreendedores desconhecem o que é a LGPD (ver quadro ao lado).

Não à toa, está em tramitação na Câmara um projeto de lei de autoria do deputado Carlos Bezerra (MDB-MT), o PL nº 5762/2019, que prorroga por dois anos, de agosto de 2020 para agosto de 2022, a vigência da maior parte da LGPD. “As maiores dificuldades das empresas na implementação da LGPD são, além da incorporação dos princípios da proteção de dados às suas missões e valores, o investimento, a amplitude e o prazo para implementação”, destaca a advogada especialista em direito digital Isabela Pompilio, sócia do TozziniFreire Advogados. Segundo ela, será necessária a formação de equipes especializadas em direito e em segurança da informação e investimento tanto na segurança do sistema quanto na capacidade de armazenamento.

O esperado é que seja feita a classificação de todas as informações e o armazenamento de acordo com a sensibilidade dos dados, o que naturalmente impacta em toda a estrutura de pessoal, de funcionamento e financeira das empresas. A sócia do Felsberg Advogados Clarissa Luz, especializada em Proteção de Dados pela Universidade da Califórnia, destaca três pontos importantes. “A primeira questão traz necessidade de adequação de medidas técnicas e administrativas para manter proteção, evitar excesso de tratamentos que não estejam de acordo com o serviço prestado ao consumidor”, pontua.

Sem a autoridade regulatória em operação, a lei ainda especifica todos os detalhes de como é o procedimento de adequação. “Temos exemplos na União Europeia (UE), para direcionar métodos a serem adotados pelas empresas, contratos modelos, isso tudo já existe. No Brasil, não há nem a cultura nem as diretrizes, que só virão com a implementação da ANPD”, avaliou. Segundo Clarissa, é necessário que haja urgência por parte das empresas, porque modelos de negócios complexos têm dados mais sensíveis. “As companhias estão atrasadas. Se não começarem vai ser pior. Mesmo sem a lei, existem mais de 40 dispositivos que protegem os dados e já se tem registro de R$ 7 milhões em multas”, afirma.

Para o gerente de tecnologia da informação da BRQ, Alexandre Cunha, a dificuldade das pequenas e médias empresas é relacionada a custos, que podem ser menores com terceirização, enquanto a ineficiência do governo em consolidar a ANPD é ainda mais preocupante. “Para os negócios menores, adaptação representa aumento de custos. Mas, como têm dados de funcionários, clientes e fornecedores, é melhor estar preparado. Contratar um serviço terceirizado vai sair mais barato do que pagar multas”, diz.

Fonte: Correio Braziliense