Brasil está entre os países mais afetados da América Latina

A empresa de detecção de ameaças ESET analisou o estado atual da segurança de celulares no segundo semestre de 2019. No relatório, a companhia mostrou que o Android fechou o ano com menos detecções e vulnerabilidades que no ano anterior, enquanto no iOS os casos aumentaram em 98%.

No universo dos aparelhos Android, que corresponde a 76% do mercado mundial, as diferentes versões de dispositivos (Pie e Oreo) são um atrativo para os cibercriminosos. Essa variedade de ecossistemas é um dos principais motivos para as detecções de códigos maliciosos em Android representarem 99% de todos os malwares para tablets e smartphones.

Em 2019, as detecções de malware para Android se concentraram mundialmente na Rússia (15,2%), Irã (14,7%) e Ucrânia (7,5%). O primeiro país latino-americano a aparecer no ranking internacional é o México (3%) na sétima colocação, seguido pelo Peru (2%) na décima quarta posição. Na América Latina, em 2019, os países com as detecções mais altas foram México (25%), Peru (15%) e Brasil (15%).

No Android, foram publicados 514 bugs de segurança em 2019, um número que representa uma diminuição de 16% em comparação com o total de vulnerabilidades relatadas para esta plataforma em 2018. De todas as falhas, 22% permitiriam a execução de código por um invasor. O número de detecções de malware diminuiu 9% em relação a 2018. Contudo, isso não significa que as ameaças na Play Store sejam menos frequentes. Pelo contrário: há cada vez mais casos de Trojans disfarçados de aplicativos amigáveis que conseguem burlar os controles de segurança do Google.

Já o iOS, segundo sistema operacional mais utilizado no mundo com 22% do mercado, teve 368 vulnerabilidades publicadas em 2019, 194% a mais do que em 2018, e 11% a menos do que as encontradas no Android no mesmo período. As detecções de malware para iOS tiveram um aumento de 98% em relação a 2018 e estavam perto de triplicar o número observado em 2017, com um aumento de 158%.

Para iOS, esses casos estão concentrados principalmente na China (44%), Estados Unidos (11%) e Índia (5%), e na América Latina os países com os maiores índices de detecções de malware para iOS foram México (22%), Peru (18%) e Chile (15%).

Fonte: PCWorld