A Microsoft descarta tratar ou comentar o impacto da medida que começou nesta ultima terça-feira, 14/1, dia de encerramento do suporte ao Windows 7 e a consequente vulnerabilidade de 37% dos computadores no Brasil, segundo levantamento da empresa de segurança Kaspersky, que ainda utilizam esse sistema operacional, ou algo em torno de 66 milhões de PCs em uso.

Procurada pelo Convergência Digital, a Microsoft informa que “não informa dados locais” e apenas orienta os usuários a comprarem a versão mais recente do sistema, o Windows 10 e migrarem para o serviço Office 365, uma vez que o fim do suporte ao Office 10 também virá em breve.

O Windows 7 foi lançado há 10 anos e se tornou muito popular, tanto que está em mais de 10% dos PCs no mundo – enquanto o Windows 10, o seu sucessor não chega a representar nem 5% da base global. A dor de cabeça da Microsoft pode ser grande.

A rival Google já disse que dará suporte ao Windows 7 até meados de 2021. E pior: o legado do WannaCry, pior ransomware da história ao afetar mais de 200 mil PCs no mundo, a maior parte corporativos, a partir de uma vulnerabilidade do Windows. A Microsoft foi obrigada a fazer patches públicos para dar segurança ao Windows XP, também descontinuado pela companhia, mas utilizado em muitos PCs.

Dados da empresa de segurança digital Kaspersky indicam que cerca de 30% dos usuários da América Latina ainda utilizam o Windows 7, com o Brasil na liderança desse ranking, com 37% dos PCs ainda com esse sistema operacional.

Na média mundial, o Windows 7 segue muito popular, rodando em 41% dos computadores, segundo o mesmo levantamento. Na AL, os percentuais também são significativos, como na Argentina (35%), Colômbia (33%), Peru (29%) e México (28%). Vale lembrar que somente quatro anos após seu lançamento o Windows 10 alcançou a mesma participação de mercado da versão mais antiga, agora sem suporte.

Fonte: Convergência Digital