Por Roberta Prescott e Carlos Afonso

O ecossistema brasileiro para a Internet das Coisas está em construção, com o envolvimento de cada vez mais empresas, tanto produtoras de bens de consumo quanto operadoras e governo. “Dificilmente uma única empresa terá condições de oferecer soluções ou serviços de IoT de forma fim a fim; IoT é sobre colaboração”, disse Lucas Pinz, associate partner na McKinsey, em entrevista em vídeo à CDTV, durante o Futurecom 2019. O Plano Nacional de Internet das Coisas foi aprovado por meio do decreto presidencial 9.854/2019.

Fundamental para a Internet das Coisas funcionar, a conectividade ainda é um desafio, principalmente, nas áreas rurais. “Estamos em uma trajetória de aumento de cobertura; são investimentos bastante expressivos. Vivemos, ao longo dos anos, ondas tecnológicas e agora está vindo o 5G com investimentos grandes por parte das operadoras. Sabemos que existem barreiras hoje para o campo, mas vejo, cada vez mais vez, as operadoras falando sobre isto”, apontou.

Para ele, um mix de tecnologias conviverá para prover a conectividade, inclusive com a participação de provedores locais. Na entrevista, ele também falou sobre como fazer projetos de IoT que estejam em conformidade com as leis de proteção dos dados e privacidade. Assista à entrevista em vídeo.

Fonte: Convergência Digital