E por que planejam bloqueá-la? Países afirmaram que Libra poderia ameaçar o valor do euro e privatizar ilegalmente o dinheiro

Os planos do Facebook de lançar sua própria criptomoeda (chamada de Libra) no ano que vem estão recebendo resistência por parte da França e Alemanha, que prometeram bloqueá-la e pretendem criar suas próprias moedas virtuais nacionais.

Os dois países afirmaram que a Libra poderia ameaçar o valor do euro e privatizar ilegalmente o dinheiro. No ano passado, o Banco Central da Índia (RBI) anunciou a proibição do uso de criptomoedas por qualquer entidade financeira regulamentada por causa dos riscos.

“Meu palpite é que todas essas nações estão preocupadas com as possíveis implicações para a política monetária”, disse David Furlonger, vice-presidente de pesquisa do Gartner. “E, quando há uma entidade privada que possui a quantidade de envolvimento potencial de clientes e, portanto, fluxos monetários em potencial, como o Facebook, então esses países estão preocupados com o impacto que isso possa ter sobre sua capacidade de implementar adequadamente políticas que sejam benéficas para a sua própria nação.”

A China também trabalhou para limitar o bitcoin, primeiro restringindo as ofertas iniciais de moedas e depois os pools de mineração de bitcoin. O país também pode estar planejando a criação de sua própria moeda digital.

Em meio a uma guerra comercial em andamento com os EUA, a China também pode estar procurando criar uma maneira de usurpar o dólar como moeda comercial, de acordo com Felix Shipkevich, principal advogado da Shipkevich PLLC de Nova York. O chefe do novo Instituto de Pesquisa de Moeda Digital do Banco Popular da China (PBoC) quer que o banco central do país crie uma criptomoeda, que, segundo ele, daria estabilidade ao dinheiro fiduciário da China.

Em um blog, David Andolfatto, economista do Federal Reserve Bank de St. Louis, argumentou que as criptomoedas apoiadas pelo governo forneceriam maior transparência nas transações.

Alguns especialistas acreditam que, como o Facebook tem mais de dois bilhões de usuários, mesmo uma pequena porcentagem que compre uma média de 200 dólares de Libra poderia ter um enorme impacto nas economias de todo o mundo – e tornar a rede social um banco de reserva.

“Dadas as ambições deles, posso começar a me referir a eles como o Facebook Bank”, declarou Clifford Rossi, professor de finanças da Escola de Negócios Robert H. Smith da Universidade de Maryland. A entrada do Facebook na arena bancária coloca pressão adicional sobre os bancos comerciais em um momento em que eles já estão lutando para aprender a competir contra as fintechs.

Em todo o mundo, o valor comercial derivado da blockchain deve aumentar de US$ 9 bilhões neste ano para US$ 50 bilhões em 2022, segundo o Gartner. O maior crescimento deve ocorrer no próximo ano, quando o Facebook planeja lançar a moeda Libra e a carteira digital Calibra. No entanto, o chefe de criptografia do Facebook, David Marcus, descartou a ideia de que a Libra poderia ameaçar “a soberania das nações”.

Em uma série de tweets, Marcus explicou que a ideia da Libra é simplesmente ser uma melhor rede e sistema de pagamento para as moedas existentes, “oferecendo valor significativo aos consumidores em todo o mundo”.

Como outros esforços para criar criptomoedas, o Facebook amarraria a Libra a uma moeda fiduciária, o dólar americano ou outra moeda nacional local, criando o que a indústria chama de “moeda estável”. Apesar disso, alguns especialistas acreditam que a ameaça representada pelo projeto do Facebook vai além do banco comercial, passando pelos bancos centrais e de reserva.

Neste mês, o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, declarou que a Libra não deve operar na Europa, enquanto persistirem preocupações sobre a soberania e os riscos financeiros.

“Como já foi expresso durante a reunião dos Ministros das Finanças do G7 e dos Governadores do Banco Central em Chantilly, em julho, a França e a Alemanha consideram que o projeto Libra, conforme estabelecido no modelo do Facebook, falha em convencer que esses riscos serão tratados adequadamente. Acreditamos que nenhuma entidade privada pode reivindicar poder monetário, que é inerente à soberania das Nações”, anunciaram Bruno Le Maire e seu colega alemão Olaf Scholz.

Na reunião do G7, o bloco da zona do euro de 19 países indicou que está unido na busca de uma abordagem regulatória rígida, caso a Libra busque autorizações para operar na Europa.

“Quando você pensa em quantos usuários do Facebook existem, percebe que, de certa forma, é uma nação digital”, explicou Cindy Yang, parceira e líder de equipe do grupo da indústria de fintechs no escritório de advocacia Duane Morris LLP, com sede em Nova York. “Então, a ideia de que eles permitirão que as pessoas usem a Libra como moeda digital transacional dentro do sistema, e a ideia de que as pessoas possam colocar a moeda que desejarem – seja um euro ou um dólar americano – é preciso dinheiro fora de circulação. Portanto, isso tem pressão inflacionária.”

“Quando você olha para as audiências do Comitê de Finanças da Câmara [em Libra], uma das principais perguntas que não foi respondida, surpreendentemente, foi o quanto o Facebook pensa, em média, que uma pessoa manteria uma moeda digital. Ele [David Marcus] não conseguiu nem responder a essa pergunta, o que parecia estranho, porque você acha que eles fizeram algumas previsões”, acrescentou Yang.

Shipkevich acredita que a Libra do Facebook pode não apenas causar turbulência econômica, mas também permitir que a própria rede social se torne a autoridade bancária de um país em desenvolvimento, ou de um país em crise, como a Venezuela.

“Se você é o Facebook e mantém 10% da moeda local da Venezuela por meio da Libra, você se torna uma reserva quase federal para esse sistema”, revelou Shipkevich. “Minha primeira reação a Libra foi: ‘Você está brincando comigo?’ Como estamos apenas 10 anos após a Grande Recessão global permitindo que uma única empresa possa controlar potencialmente os sistemas de reservas federais dos países em desenvolvimento?”

De fato, a rede social obteve forte apoio da indústria para a sua moeda digital. Formou a Associação Libra, com sede na Suíça, que atualmente possui 28 membros, incluindo Mastercard, Visa, eBay, PayPal, Uber e Lyft.

Dante Disparte, chefe de políticas e comunicações da Associação Libra, disse em comunicado que o grupo está “comprometido em trabalhar com as autoridades reguladoras para alcançar uma implementação segura, transparente e focada no consumidor do projeto Libra”.

Projetos de moedas estáveis, como o Blockchain World Wire da IBM , têm como alvo países em desenvolvimento, onde os cidadãos têm poucas ou nenhuma opção para abrir uma conta bancária e são forçados a usar serviços caros para enviar dinheiro para a família se estiverem trabalhando fora de seu país de origem.

O aplicativo de carteira digital Calibra do Facebook está sendo desenvolvido para mostrar taxas de câmbio internacionais para a troca de moeda fiduciária, como o dólar americano em moeda digital Libra e vice-versa. Por ser baseado em blockchain, o Facebook está cortando o intermediário – um banco central ou uma câmara de compensação; isso elimina a maioria dos custos associados às transações financeiras hoje.

“As taxas de transação serão baratas e transparentes, especialmente se você estiver enviando dinheiro internacionalmente. A Calibra cortará taxas para ajudar as pessoas a economizar mais dinheiro”, afirmou o Facebook.

 

Fonte: ITMidia