Por: Inova Mais

Em resultado prévio da pesquisa de privacidade de dados que está sendo realizada pelas startups Curitibanas AdOpt e Hariken, apenas 8% das empresas consideram-se totalmente preparadas para Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entrará em vigor em agosto de 2020.

Ela surgiu da necessidade de equilibrar as leis de privacidade de dados no Brasil e atualizar o modo como as organizações em todo o país devem lidar com a segurança dessas informações. Foram criadas regras para o uso de dados pessoais, que valem tanto para empresas como órgãos públicos. A lei prevê multas de até 2% do faturamento ou R$ 50 milhões em casos de vazamentos de dados ou outras violações.

Por mais que tais números possam assustar, eles são um indicativo da importância que é dada à privacidade de nossos dados.

Com pouco menos de um ano para a lei entrar em vigor, algumas empresas já estão dando os primeiros passos para adequação de seus processos de: coleta, armazenamento, tratamento, utilização e compartilhamento de dados. Trabalho que envolve esforços de diferentes áreas e pode levar em média 18 meses.

Nesse contexto, surgem empresas e consultorias que por meio de tecnologia aceleram esse processo. Adonis Batista, CEO da AdOpt, ferramenta criada para ajudar empresas na obtenção de consentimento dos seus visitantes de maneira transparente, comenta a respeito:

“A LGPD é um avanço, pois ela garante que a informação seja democratizada, principalmente no meio digital no qual existem empresas que trafegam nossos dados sem nenhum compromisso com a transparência. Cada um de nós tem o direito de saber como nossos dados são utilizados e com quem são compartilhados e, mais do que isso, o direito de decidir se isso deve acontecer ou não”

Fonte: RicMais