Uma pesquisa recente realizada pela PSafe, desenvolvedora dos aplicativos dfndr, revelou que 8,5 milhões de brasileiros já foram vítimas de clonagem de WhatsApp, o que representa 23 novas vítimas desta modalidade de golpe diariamente em todo o país.

Ainda segundo a pesquisa, 26,7% dos entrevistados apontaram o vazamento de conversas privadas como o principal prejuízo da clonagem de WhatsApp, seguido de envio de links com golpes para outros contatos (26,6%); solicitações de dinheiro aos amigos (18,2%), perda da conta do WhatsApp (18,0%); e chantagem (10,5%). Clique aqui para conferir a pesquisa na íntegra.

Apesar de não ser uma prática inédita, a clonagem de WhatsApp ganhou destaque este ano no Brasil devido aos inúmeros relatos de usuários que foram vítimas de cibercriminosos. Somente no primeiro semestre de 2019, o dfndr lab – laboratório especializado em segurança digital – registrou mais de 134 mil tentativas de roubo de WhatsApp. O diretor do laboratório, Emilio Simoni, explica o passo a passo do golpe:

“Para clonar uma conta de WhatsApp, o cibercriminoso cadastra indevidamente o número de telefone do usuário em outro dispositivo e, após esse processo, um SMS contendo um código de liberação de acesso é enviado ao celular da vítima. Depois, ela é induzida a fornecer esse código ao hacker e, em seguida, a sua conta de WhatsApp é bloqueada”, relata Simoni.

Ao ter livre acesso ao WhatsApp de um usuário, o hacker pode se passar por ele para aplicar golpes em seus amigos e familiares. É bastante comum que o cibercriminoso faça solicitações de empréstimos, envie links com outros golpes para os contatos registrados no mensageiro e, também, use o conteúdo privado das mensagens para, posteriormente, fazer chantagens com a vítima em troca de dinheiro.

Por isso, Simoni alerta que o usuário jamais deve informar o código de liberação de acesso do WhatsApp que ele recebe para terceiros. Além disso, é recomendável ativar a autenticação de dois fatores, disponível no próprio WhatsApp,  para aumentar a segurança da conta.

Fonte: Convergencia Digital