AutorSamira Sarraf, da ARN (AU)

Tecnologia foi aplicada para impedir falsificação de identidade em exames para estudantes

NEC Austrália foi escolhida pela firma de Melbourne, a Genix Ventures, para testar seu software de reconhecimento facial para ajudar a impedir que pessoas façam exames para estudantes de forma fraudulenta.

O CEO da Genix Ventures, Steve Godinho, disse que as taxas de tentativa de falsificação de identidade variam, mas podem chegar a dois por cento em alguns países e para algumas avaliações de alta participação.

Como tal, o reconhecimento facial seria usado para autenticar um aluno não apenas no início, mas também em intervalos aleatórios durante o exame para minimizar a possibilidade de os alunos trocarem de lugar.

A Genix já testou o NeoFace da NEC em uma instituição terciária em Melbourne. Agora o utiliza em uma solução construída para a Cambridge Boxhill Language Assessments (CBLA), em Melbourne, uma subsidiária da Cambridge Assessments, o braço de avaliações da Universidade de Cambridge, e também o órgão responsável pelo teste de Inglês Ocupacional (OET).

“À medida que o número de usuários aumenta, também aumenta a escala e a flexibilidade do que a NEC oferece – descobrimos que é uma das plataformas mais capazes e robustas do mundo em termos de reconhecimento facial”, disse Godinho.

A Genix quer garantir que nenhuma personificação ocorra durante os exames, o que pode acontecer às vezes “em troca de pagamento”.

De acordo com a NEC, o NeoFace é acessível às empresas sem a necessidade de criar, hospedar e manter a infraestrutura subjacente.

“Do nosso ponto de vista, queremos garantir que não importa onde operamos, quando alguém solicita o teste OET, a pessoa que aparece no dia do teste e a pessoa no certificado de avaliação são uma e a mesma pessoa”, disse Sujata Stead, CEO da CBLA.

“Isso é essencial para que possamos garantir às autoridades reguladoras que aceitam o OET que os resultados dos candidatos são confiáveis”.

Fonte: ComputerWorld