A Polícia Federal anunciou nesta terça, 4/6, a prisão de cinco pessoas acusadas de diversas fraudes com uso de tecnologia digital. Segundo a PF, a mesma quadrilha atuava em estelionato e fraudes, clonagem de cartões e invasão de bancos de dados.

Entre os crimes, os hackers conseguiram acessar o banco de dados da Fundação Getúlio Vargas e adulterar resultados do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil, prova que dá direito ao registro como advogado profissional. De acordo com a PF, as notas eram alteradas diretamente no sistema da FGV após a segunda fase do exame. Para isso, cobravam em criptomoedas.

A polícia informou que a investigação, aberta há dois anos, identificou pelo menos duas pessoas que pagaram pela fraude no Exame da OAB. A operação contou com a colaboração tanto da própria FGV como da Ordem dos Advogados. Apurações continuam para identificar se as fraudes foram cometidas em outros concursos realizados pela mesma instituição.

Além das cinco pessoas presas, a PF indicou ter identificado outras duas pessoas que fazem parte do mesmo grupo. Os mandados de prisão foram cumpridos em São Paulo (um na capital e outro em Santos); dois no Rio Grande do Sul (em Santa Maria e Tapes) e outro no Ceará (Fortaleza). Os agentes também cumpriram cinco mandados de busca e apreensão.

Fonte: Convergencia Digital