A fraude popularmente conhecida como clonagem de chips de celular está sendo amplamente utilizada no Brasil segundo afirma a empresa de software de segurança Kaspersky Lab. Segundo a empresa, um único grupo teria clonado mais de 5 mil chips no país.

“Somente no Brasil um grupo organizado de cibercriminosos conseguiu clonar o chip de 5.000 vítimas, envolvendo não apenas pessoas comuns, mas também políticos, ministros, governadores, celebridades e empresários famosos. Em Moçambique um golpe causou prejuízo de US$ 50.000 a um empresário, roubados de suas contas bancárias, já no Brasil foram identificadas diversas fraudes de R$ 10 mil cada”, informa a empresa em comunicado.

A técnica, explica, se vale de um recurso legítimo e utilizado quando um smartphone é perdido ou roubado, que permite ao dono da linha ativar o número em outro chip. “Os golpistas, porém, estão constantemente enganando as operadoras de celular para fazer a portabilidade do número do dispositivo roubado para um novo chip”, sustenta a Kaspersky Lab.

“O golpe começa com a coleta de dados das vítimas por meio de e-mails de phishing, engenharia social, vazamentos de dados ou até pela compra de informações de grupos criminosos organizados. Depois de obter os dados necessários, o cibercriminoso entra em contato com a operadora móvel, passando-se pela vítima, para que ela faça a portabilidade e ative o número do telefone no chip do fraudador. Quando isso acontece, o telefone da vítima perde a conexão (voz e dados) e o fraudador recebe todos os SMSs e chamadas de voz destinados à vítima. Assim, todos os serviços que dependem da autenticação de dois fatores ficam vulneráveis.”

A técnica de clonagem de chips teria gerado um novo tipo de ataque conhecido como ‘clonagem do WhatsApp’. Neste caso, depois da ativação do chip no celular do criminoso, ele carrega o WhatsApp para restaurar os chats e contatos da vítima no aplicativo. Então, ele manda mensagens para os contatos como se fosse a vítima, falando de uma emergência e pedindo dinheiro.  Alguns dos ataques atingiram empresas depois que cibercriminosos conseguiram sequestrar o celular de um executivo e usaram a clonagem do WhatsApp para solicitar recursos do departamento financeiro da empresa. O golpe é semelhante ao comprometimento de e-mails corporativos (BEC), mas usando contas do WhatsApp.

Fonte: Convergencia Digital