Devido à complexidade da nova lei, vários processos deverão ser revistos com a ajuda de especialistas, já que o impacto das sanções será muito forte

Num mundo cada vez mais conectado e que gera um volume grande de informações, surgiu a necessidade de proteger os dados pessoais contra seu uso indevido e não autorizado.

O Brasil não ficou de fora dessa discussão e, inspirado em iniciativas globais como a europeia GDPR, sancionou a Lei 13.709/18, que cria uma série de obrigações para as empresas no que diz respeito à coleta, uso e garantia da integridade das informações, sob pena de duras sanções, como multas de até R$ 50 milhões por infração.

Para orientar e auxiliar as empresas na adequação à Lei Geral de Proteção de Dados, que entra em vigor em agosto de 2020, a Stefanini acaba de anunciar ao mercado sua solução LGPD, que prevê uma série de projetos de conscientização via workshops para empresas públicas e privadas.

O objetivo é conscientizá-las sobre coleta de dados do titular, termo de consentimento, proteção, acesso, anonimização, qualidade, transparência, tratamento, segurança e prestação de contas ao Governo a qualquer hora.

A nova legislação tem impacto direto no modo de operação de todas as empresas brasileiras, independentemente do porte ou da área de atuação. Trata-se de uma verdadeira revolução para as companhias, que terão pouco mais de um ano para se adaptar à nova realidade.

“Com a nossa nova solução, queremos passar uma mensagem clara e urgente sobre a necessidade de adequação à regulamentação, que a Stefanini pode apoiar por meio de uma estratégia faseada, que permite profundidade no diagnóstico, plano de ação e acompanhamento com entregas rápidas, evitando longos projetos de adequação que já não atendem mais ao dinamismo do mercado atual”, explica Marco Aurélio Peres, Head  de AI & Analytics da Stefanini.

Fonte: Security Report