Autora: Roberta Prescott

Depois de 15 anos de atuação na Espanha, a ElevenPaths, que, desde a sua aquisição em 2013, é a unidade global de segurança cibernética do Grupo Telefónica, chega ao Brasil. O anúncio foi feito pela Vivo Empresas, nesta quinta-feira 14/03. A incorporação da ElevenPaths faz parte da estratégia de expansão da telco no segmento corporativo, que, atualmente, tem 1.200 empresas clientes de serviços gerenciados de segurança no Brasil.

Sem abrir números, o vice-presidente B2B da Vivo, Alex Salgado, explicou que a segurança cibernética no Brasil está muito voltada as empresas de médio e grande portes. “Nós, obviamente, tivemos um foco inicial nas médias e grandes, mas com a automação que estamos fazendo de portfólio, associado com o time de tecnologia da ElevenPaths, o objetivo é massificar estas tecnologias e barateá-las para estarem disponíveis às pequenas empresas, que virtualmente terão condições de ter serviços muito similares ao de médias e grandes. Meu objetivo é democratizar este tipo de solução”, disse o VP em coletiva de imprensa.

A ElevenPaths conectará o SOC – central de monitoramento, prevenção, detecção e solução de problemas – da Vivo a uma rede global de outros 10 SOCs do Grupo Telefónica ao redor do mundo. Além disto, a Vivo incorporará ao seu portfólio uma série de soluções de segurança, competências técnicas e certificações internacionais; e será inserida em alianças de inteligência de ameaças como CyberThreat Alliance e a Telco Security Alliance. “Passamos a ter um portfólio mais completo de segurança e a ElevenPaths tem todo compliance para LGPD. E a integração com as alianças nos permite entender padrões de ataques olhando como os dados trafegam nas redes e conseguimos colocar, como operadora, uma camada de segurança antes da segurança que vai apenas na aplicação. Esta é uma capacidade competitiva que só as operadoras têm”, acrescentou.

De acordo com ele, a ElevenPaths investe continuamente em pesquisa e desenvolvimento e é responsável por cerca de 10% das patentes do grupo. No entanto, no Brasil não haverá grupo focado em P&D. Questionado sobre por que apenas agora, mais de cinco anos depois da incorporação da ElevenPaths na Telefónica, que a unidade chega ao País, o vice-presidente B2B da Vivo justificou que foi devido à demanda de mercado, que cresceu depois de ondas de ataques como o WannaCry.

Fast para PME

Durante a coletiva, Fabiane de Oliveira Mello, gerente de produtos para segurança da informação B2B da Vivo, adiantou que a Vivo prepara para abril o lançamento de uma versão da plataforma própria que simula ataques, batizada de Faast, voltada para empresas de pequeno e médio portes.

Venda de imóveis

Questionado sobre a especulação de venda de datacenters, Alex Salgado explicou que a Telefónica está avaliando a venda de prédios, dos imóveis e não do que tem dentro deles, inclusive no Brasil. Ele comparou este movimento à venda, há alguns anos, das torres.

Fonte: Convergencia Digital