Reduzir riscos, proteger transações, melhorar a eficiência operacional e promover inovação na jornada do consumidor são 4 dos seis passos para melhorar a jornada do cliente no Brasil.

Atendentes que sabem quem são os clientes assim que eles entram numa loja, com acesso ao seu histórico de compras, hábitos de consumo e interesses. Consumidores fazendo compras de forma totalmente inovadora em um ambiente multicanal e tecnológico. O que só era possível ver em filmes de ficção, hoje é uma realidade cada vez mais acessível em diversas lojas ao redor do mundo.

Dentre as mais diversas tendências tecnológicas para o Varejo, o destaque vai para a implementação de reconhecimento facial, solução bastante utilizada para a prevenção de fraudes. A redução de perdas é o ponto mais importante se tratando de benefícios para uma adoção desse tipo no Brasil.

O principal case brasileiro nesta área é da aplicação em aeroportos junto à Receita Federal, implementação que contou com a parceira da NEC. De acordo com Alexandre Soyama, Retail Solutions Manager LATAM da NEC, o projeto se pagou rapidamente. “Ajudamos a identificar contrabandistas de objetos de alto valor unitário logo nos primeiros meses de operação.”

No entanto, na visão de Kiyoshi, o Varejo físico também pode se destacar com inúmeros benefícios proporcionados por esse tipo de tecnologia. Como:

·         Reduzir riscos de fraudes;

·         Promover ambiente mais seguro nas transações;

·         Aperfeiçoar a experiência do cliente na loja física;

·         Integrar recursos com soluções de biometria;

·         Ganhar eficiência operacional;

·         Melhorar performance com sistemas de Machine Learning, Inteligência Artificial e Behavior Analytics.

No material a seguir, é possível encontrar diversas informações sobre aplicabilidade de tecnologias de reconhecimento facial no Varejo, além de cenário de desafios e oportunidades para inovar com segurança.

Para acessar o conteúdo completo, clique aqui.

Fonte: Security Report