Relatório da Kaspersky Lab mostra as atividades online durante as últimas férias e, pela primeira vez, a privacidade online chamou a atenção delas

O mais recente relatório da Kaspersky Lab apresenta as atividades online de crianças do mundo inteiro durante as férias de inverno. O levantamento utiliza as estatísticas dos módulos de Controle para os Pais e mostrou o que as crianças assistiram, ouviram, compraram e pesquisaram na internet no período que estiveram fora da escola.

Uma das constatações é que as crianças estão assistindo mais conteúdo em vídeo e ouvindo música do que acessando suas mídias sociais. O levantamento mostra ainda que o Youtube é o canal preferido. As crianças também assistem muitas séries de TV na Netflix e os mais novas preferem os canais Nickelodeon, Cartoon Network e Disney, assim como os desenhos do Bob Esponja.

Em relação à música, elas usam serviços de streaming como SpotifySoundcloud e iTunes para ouvir música e o rap é o gênero mais popular.

A Kaspersky Lab identificou ainda que as crianças leem notícias com mais frequência durante as férias e os principais sites incluem a BBCCNN e BuzzFeed. Elas também passaram algum tempo conferindo as últimas atualizações e placares da Copa do Mundo FIFA de 2018. Os jogos online também foram muito acessados. Crianças do mundo todo mostraram sua preferência pelo Fortnite, que superou o PUBG como jogo mais popular.

Os dados da América Latina mostram que a categoria de vídeo e áudio – incluindo serviços de streaming – foi a mais procurada neste inverno (35% do total). O segundo lugar foram os sites de comunicação (30%) e a terceira posição são as lojas online (12%). Curiosamente, os sites de jogos ocupam o quinto lugar, pois geraram apenas 7% das pesquisas.

A empresa de cibersegurança observa que, junto com os jogos, vídeos e músicas, as crianças também pesquisaram muito sites com conteúdo adulto. “É importante destacar que, se os responsáveis pelas crianças tivessem bloqueado este tipo de site nas configurações do Controle para os Pais, essas tentativas de acesso teriam sido malsucedidas”, diz Roberto Rebouças, diretor-executivo da Kaspersky Lab no Brasil.

Preocupações com a privacidade online também foram observadas entre as crianças nestas férias. Elas procuraram ativamente na Internet utilizando o mecanismo de pesquisa DuckDuckgo e fizeram consultas sobre VPN. Este foi o primeiro registro divulgado pela Kaspersky Lab de aumento do interesse das crianças no assunto.

Para Rebouças, da mesma forma que os pais acompanham o desenvolvimento dos filhos durante a vida é importante que eles fazem o mesmo com a vida online. “Temos que aproveitar o interesse das crianças em privacidade para estimular um diálogo aberto e franco. Aqui temos a chance de fazê-lo de forma natural, utilizando as preferências e atividades online para iniciar a conversa e abordar temas mais graves como “sexting” (troca de mensagens com conteúdo sexual) ou o bullying. Não recomendamos o uso do módulo de Controle para os Pais apenas para efetuar o bloqueio de conteúdo periogoso, pois esta postura isolada pode afastar as crianças. Acreditamos que, para combater as ameaças online, precisamos aproximá-las”.

Metodologia

O relatório mostra estatísticas anônimas de sites e buscas realizadas em computadores Windows e Mac, além da atividade em dispositivos Android e iOS, no período entre junho a meados de agosto de 2018. Ele não revela nenhuma informação privada e seus dados foram obtidos por meio dos produtos da Kaspersky Lab com o módulo Controle para os Pais ativado e do Kaspersky Safe Kids, um serviço autônomo instalado para a proteção online de crianças.

Fonte: IDG NOW!