Documento continha detalhes técnicos do que ela disse serem tentativas russas de espionar ciberneticamente autoridades eleitorais dos EUA e hackear um fabricante de urnas eletrônicas antes da eleição presidencial de 2016

Um juiz federal dos Estados Unidos condenou a ex-prestadora de serviços de inteligência Reality Winner a mais de cinco anos de prisão depois que ela admitiu ter vazado à imprensa um relatório ultrassecreto sobre a interferência da Rússia nas eleições dos EUA, informou seu advogado. As informações são da agência Reuters.

Reality admitiu ter passado o relatório da Agência de Segurança Nacional (NSA) à publicação The Intercept em 2016. O documento que ela entregou ao veículo de notícias continha detalhes técnicos do que disse serem tentativas russas de espionar ciberneticamente autoridades eleitorais dos EUA e hackear um fabricante de urnas eletrônicas antes da eleição presidencial de 2016, disseram duas autoridades a par do caso.

Reality trabalhava na Pluribus International Corp, empresa que presta serviços analíticos para agências norte-americanas de defesa e inteligência.

Fontes: Security Report e Reuters