Autor: Christopher Burgess

Facilidade com que avião foi roubado fará com que os analistas de segurança elaborem estratégia interna de mitigação de ameaças

O recente furto e consequente queda do avião Horizon Air Bombardier Q400 por um funcionário da Horizon Air, nos EUA, chocou o mundo da segurança de avião.

O funcionário Richard “Beebo” Russell era um agente de serviços terrestres de 29 anos de idade que trabalhava na Horizon Air por três anos e meio. No dia 10 de agosto, ele subiu no cockpit do Q400, que estava estacionado em um espaço de manutenção no Aeroporto Internacional de Seattle-Tacoma (SeaTac), ligou os motores e decolou.

O trágico voo

Uma revisão das transmissões entre o Controle de Tráfego Aéreo (ATC, na sigla em inglês) e Russell revelam que ele não tinha intenção de pousar o Horizon Q400. Na verdade, ele disse que não sabia como. O ATC tentou numerosas vezes guiar Russell a uma das cinco pistas próximas, incluindo a Base Conjunta Lewis-McChord (JBLM), cuja Pista 15/35 tem mais de 6 mil pés de comprimento.

O ATC trouxe os pilotos do Q400 para a conversa e tentou ajudar Russell a pousar o avião, orientando-o com instruções específicas sobre como preparar a aeronave para o pouso. Simultaneamente, dois F-15 foram lançados da área de Portland para interceptá-lo. Os jatos da Air National Guard chegaram à estação em questão de minutos, onde mantiveram vigilância visual.

Russell, durante sua conversa, deu uma indicação inicial de que ele iria realizar algumas acrobacias com a aeronave e depois “encerraria o dia”. Ele antecipou uma queda durante a acrobacia. Após o golpe, expressou sua surpresa por ter completado a manobra.

O voo sobre o Puget Sound terminou pouco depois, quando Russell bateu o avião na ilha de Ketron, pouco povoada, perto de South Tacoma, a cerca de 40 quilômetros ao sul de SeaTac.

Não há dúvida de que a perda de vidas poderia ter sido substancialmente mais significativa. O SeaTac, o nono aeroporto mais movimentado do país, tinha aviões pousando, taxiando e decolando quando Russell decolou. Seattle e Tacoma são cidades densamente povoadas. Em Seattle, no Safeco Field, um concerto do Pearl Jam foi realizado com aproximadamente 45 mil participantes.

O fato de que Russell não estava disposto a infligir danos ou danos além de sua própria morte e a destruição da aeronave de seu empregador foi o que impediu que o evento fosse uma catástrofe ainda maior.

Motivação é um mistério

Segundo todos os relatos, Russell era um indivíduo agradável, afável e tranquilo. O depoimento pós-evento da família não forneceu pistas sobre a presença de depressão ou de ser um funcionário insatisfeito.

De acordo com o jornal New York Times, um amigo de Russell, observou como ele estava insatisfeito com o fato de seu emprego específico não pagar os US$ 15 por hora que outros trabalhadores do aeroporto recebiam.

Uma análise do vídeo do próprio YouTube de Russell destaca seu “manejo de muitas malas” e seu uso do benefício mais significativo fornecido aos funcionários das companhias aéreas, os benefícios da viagem. Ele terminou seu vídeo com a afirmação: “Isso fica completo no final”.

Lições aprendidas

Russel tinha passado por uma verificação de antecedentes como condição de emprego e, de acordo com o CEO da Alaska Airlines, ele estava totalmente liberado para ter acesso à linha de voo.

Quando pensamos em ameaças internas e riscos, as pessoas pensam em violência (tiro ativo) e roubo (bens e propriedade intelectual) como os dois cenários mais comuns discutidos e mitigados.

O pessoal de segurança da Alaska Airlines pode não ter considerado o roubo de sua aeronave um insider com risco tão alto quanto um funcionário clicar em um e-mail de phishing.

A facilidade com que este Horizon Air Q400 foi roubado fará com que os analistas de segurança da aviação dentro do Alaska Airlines Group elaborem uma estratégia interna de mitigação de ameaças para fechar essa vulnerabilidade identificada.

Fonte: IDG NOW