Segundo a Kaspersky, as detecções de criptomineradores subiram de 1,9 milhão para 2,7 milhões nos últimos dois anos.

Cada vez mais comuns, os malwares de mineração de criptomoedas superaram os ransonwares na lista de ameaças mais temidas em 2018, segundo a Kasperksy.

De acordo com a empresa de segurança, o número de detecções do chamado cryptojacking, que invade dispositivos para usar a sua energia e processamento para minerar criptomoedas, subiu de 1,9 milhão para 2,7 milhões nos últimos dois anos.

Enquanto isso, os dados da Kaspersky apontam que o número de usuários atacados por ransomware caiu 1,1 milhão para 751 mil entre 2016-2017 e 2017-2018.

Como descobrir

Está em dúvida se o seu PC ou celular foi atingido por criptomineradores? Fique de olho nos seguintes sinais, conforme a companhia de segurança:

-A capacidade de resposta do sistema vai ficar mais lenta – já que a memória, o processador e o adaptador gráfico do dispositivo estão atolados para completar as tarefas de mineração.

-As baterias vão acabar muito mais rápido do que antes e os dispositivos podem superaquecer.

-Se o dispositivo tem um plano de dados, os usuários vão ver esse uso disparar.

Como evitar

Por isso tudo, a Kaspersky também forneceu algumas dicas para ajudar os usuários a ficarem livres dos malwares de mineração de criptomoedas – e outros tipos de ameaças.

A lista inclui de cuidados atualizar o sistema operacional e todos os programas, desconfiar e verificar sempre de anexos de e-mails antes de abri-los, não instalar programas de fontes desconhecidas e contar com uma solução de segurança nos seus dispositivos.

Fonte: IDG NOW