O caso Facebook parece não ter fim, o The New York Times publicou um longo relatório afirmando que enquanto o Facebook procurava se tornar o serviço de mídia social dominante no mundo, firmou acordos permitindo que os fabricantes de telefones e outros dispositivos acessassem grandes quantidades de informações pessoais de seus usuários.

Resultado de imagem para facebook violacoes

Segundo o NYT, o Facebook firmou parcerias de compartilhamento de dados com pelo menos 60 fabricantes de dispositivos – incluindo Apple, Amazon, BlackBerry, Microsoft e Samsung – na última década, criando APIs especificadas de acesso e interação com o Facebook, começando antes mesmo que os aplicativos do Facebook estivessem disponíveis nos smartphones. Os acordos com os fabricantes para a oferta desas APIs permitiram que o Facebook expandisse seu alcance e permitisse que os fabricantes de dispositivos oferecessem aos clientes recursos populares da rede social, como mensagens, botões “like” e catálogos de endereços.

Em um post em seu Newsroom, o Faceook afirma que “Nos primórdios da telefonia móvel, a demanda pelo Facebook superou nossa capacidade de criar versões do produto que funcionavam em todos os telefones ou sistemas operacionais. É difícil lembrar agora, mas naquela época não havia lojas de aplicativos. Assim, empresas como Facebook, Google, Twitter e YouTube tiveram que trabalhar diretamente com fabricantes de sistemas operacionais e dispositivos para colocar seus produtos nas mãos das pessoas. Isso levou muito tempo – e o Facebook não conseguiu chegar a todos”.

Em entrevistas, funcionários do Facebook disseram ao NYT que a empresa começou a formar parcerias de dispositivos em 2007. A rede social queria garantir que seus serviços estivessem disponíveis para os usuários do Facebook não apenas em computadores de mesa, mas também em qualquer outro lugar: celulares, smart TVs, consoles de videogame e outros dispositivos. Na época, muitos telefones não podiam executar aplicativos completos do Facebook. Assim, o Facebook permitiu que os fabricantes integrassem elementos da rede social como botões de “curtir” botões, compartilhamento de fotos, listas de amigos e outros em seus dispositivos.

Mais a publicação sugere que as parcerias podem terem violado um decreto de consentimento de 2011 pela Federal Trade Commission (FTC), que impediu o acesso de outras empresas aos dados dos amigos de Facebook dos usuários sem o seu consentimento explícito. Durante o escândalo de Cambridge Analytica revelado em março deste ano, o Facebook afirmou que deixou de permitir o acesso de terceiros em 2015, mas a publicação do NYT sugere que isso não inclui “fabricantes de celulares, tablets e outros hardwares”.

“Você pode pensar que o Facebook ou o fabricante do dispositivo é confiável”, disse Serge Egelman, pesquisador de privacidade da Universidade da Califórnia, em Berkeley, que estuda a segurança de aplicativos móveis. “Mas o problema é que à medida que mais e mais dados são coletados no dispositivo – e se ele pode ser acessado por aplicativos no dispositivo – ele cria sérios riscos de privacidade e segurança.

O NYT também ressalta que funcionários do Facebook defenderam o compartilhamento de dados como consistente com suas políticas de privacidade, o acordo com o FTC e com o que promete aos usuários. Eles disseram que suas parcerias eram regidas por contratos que limitavam estritamente o uso dos dados, incluindo os armazenados nos servidores dos parceiros. Os funcionários acrescentaram que não sabiam de nenhum caso em que as informações tivessem sido mal utilizadas.

Ashkan Soltani, pesquisado e consultor sobre privacidade, que trabalhou no FTC, afirma que “É como ter fechaduras de portas instaladas, apenas para descobrir que o serralheiro também deu chaves para todos os seus amigos, para que eles possam entrar e vasculhar suas coisas sem ter que pedir permissão“.

Quando o executivo-chefe do Facebbok,  Mark Zuckerberg, esteve no Congresso Americano ele enfatizou o que ele disse ser uma prioridade da empresa para os usuários do Facebook. “Todo conteúdo que você compartilha no Facebook é seu”, testemunhou. “Você tem controle total sobre quem a vê e como a compartilha“. Mas as parcerias com dispositivos provocaram discussões até mesmo no Facebook em 2012, segundo Sandy Parakilas, que na época liderava a publicidade de terceiros e a privacidade da plataforma do Facebook. .

O NYT adverte que “a menos que você acompanhe de perto quais dispositivos todos os seus amigos do Facebook estão usando a qualquer momento, você não saberá quais fabricantes têm acesso aos seus dados. Você pode ajustar suas configurações para impedir que todos os aplicativos externos recuperem seus dados, mas alguns fabricantes de dispositivos, incluindo o BlackBerry, podem anular essa restrição“, o que na prática significa que não há como garantir a privacidade de seus dados .

No post do Newsroom, o Facebook diz controlava as APIs firmemente e que seus parceiros assinaram acordos que impediam que as informações dos usuários do Facebook fossem usadas para outra coisa que não “recriar a experiência semelhante à do Facebook“. “Os parceiros não puderam integrar os recursos do usuário no Facebook com seus dispositivos sem a permissão do usuário. E nossas equipes de parceria e engenharia aprovaram as experiências do Facebook que essas empresas construíram“. “Ao contrário das alegações do New York Times, informações de amigos, como fotos, só eram acessíveis em dispositivos quando as pessoas tomavam a decisão de compartilhar suas informações com esses amigos. Não temos conhecimento de nenhum abuso por parte dessas empresas.“.

No entanto, devido à popularidade do iOS e do Android, poucas pessoas contam com essas APIs nos dias de hoje e é por isso que a gigante das redes sociais começou a “encerrar” as parcerias em abril e, até agora, encerrou 22 dessas parcerias.

Ao que tudo parece a história de quebra de privacidade do Facebook ainda vai longe. Mas, em um esforço de reverter e possivelmente afastar os diversos questionamentos que tem recebido, o Facebook tem procurado implementar uma série de medidas, se efetivas ou não deixamos a cargo do leitor a conclusão, tanto que hoje recebi uma solicitação de configuração de permissão de coleta de dados de localização e do uso de identificação facial. O controle sobre a coleta de dados de localização considero uma questão de segurança não permitir tal coleta, afinal, por diversos motivos, não quero que o Facebook seja capaz de “trackear” os locais onde tenho estado, já a identificação Facial pode ser uma medida interessante, pois o Facebook afirma poder impedir que outros usem a minha foto em um perfil falso.

As medidas, ou propaganda dos controles, existentes está muito longe de ser suficiente para que o usuário tenha controle de sua privacidade, afinal alguém já parou para verificar TODOS os tipos de acessos que o aplicativo Facebook e o aplicativo de gerenciador de Páginas do Facebook solicita no momento da sua instalação?   é praticamente um usuário privilegiado no melhor estilo “Domain Admin” .

Fonte: New York Time e Minuto da Segurança