Tecnologia codifica e protege os dados das transações entre usuário e website

O Dia das Mães é a data mais importante para o e-commerce no primeiro semestre e um termômetro para as vendas durante o resto do ano. No Brasil, a data já possui um faturamento tão representativo quanto a Black Friday e o Natal. A expectativa, segundo o Ebit, é de uma movimentação de R$ 2,16 bilhões em 2018, representando um crescimento de 15% se comparado ao ano passado.  E mães estão cada vez mais conectadas. De acordo com o estudo da GlobalWebIndex, apenas no ano passado, 21% das matriarcas na América Latina ficaram conectadas diariamente e a moda foi a categoria mais pesquisada.

Esse impulso traz oportunidades não apenas no aumento das vendas, mas também para que proprietários sites de e-commerce invistam em soluções que proporcionam proteção de dados aos seus usuários no momento da realização das transações, principalmente com grandes movimentações em efemérides como essa, evitando perdas de negócios em casos de incidentes. E neste quesito o certificado SSL ganha importância.

“O SSL permite que o aplicativo ou website que o cliente acessa se comunique de forma segura, através de uma camada de proteção adicional de criptografia entre o usuário e o servidor web que ele está conectado. Desta maneira, todos os dados são fornecidos de forma sigilosa, o que também evita invasões, violação e falsificação de mensagens, por exemplo”, explica Lucas Vieira, Gerente de Produtos da Soluti.

Os sites seguros e protegidos também devem conter um cadeado verde clicável, que mostra a segurança do ambiente. Essa validação é realizada pelo navegador do usuário, seja ele Google Chrome, Firefox, Opera, entre outros. É justamente este certificado que garante que o site onde o consumidor está navegando realmente é quem diz ser e não uma máscara que por trás conta com hackers ou fraudadores. Esse certificado traz a autenticidade ao site e, portanto, maior grau de segurança, pois criptografa as mensagens que trafegam entre o navegador e o servidor onde está o site está hospedado, e confiabilidade para que o usuário possa fazer suas transações.

Abaixo, confira mais cinco dicas feitas pelo especialista:

 1. Veja se o site visitado possui a solução SSL instalada

A ferramenta SSL (Secure Socket Layer) é um modelo de certificado digital cujo objetivo é fornecer segurança na comunicação entre o cliente e o servidor.  Para identifica-lo, basta o usuário verificar se há um símbolo de um cadeado verde e o protocolo “https”, que são exibidos na barra de endereços do navegador. Ela tem como função criptografar informações sobre determinado site, dando a garantia de que os dados nele prestados são seguros, autênticos e confiáveis, aumentando assim a sua credibilidade perante aos visitantes. Com ele, os websites são protegidos e não correm o risco de brechas na segurança.

2. Verifique se o e-commerce possui o selo de segurança do Certificado SSL e se há informações do Certificado e da empresa dona do site

Este selo permite que o usuário identifique se a página acessada tem um Certificado Digital SSL válido e se ele é emitido por uma Autoridade Certificadora confiável. Essas informações podem ser conferidas quando se clica no cadeado verde localizado na barra de navegação. Se aparecer o nome da entidade responsável por emitir aquele determinado certificado digital, isso significa que o website acessado é reconhecido por uma entidade certificadora e que possui uma boa reputação. Ele também garante que, quando o cliente aperta o botão comprar no carrinho, os dados fornecidos como o cartão de crédito, só poderão ser interpretados pelo servidor da loja virtual. Assim, caso alguma pessoa mal-intencionada tente interceptar não terá acesso, pois o SSL criptografa as mensagens que trafegam entre o navegador e o servidor onde o site está hospedado, garantindo a confiabilidade para que o usuário possa fazer suas transações.

3. Tenha um antivírus

Ter um bom antivírus instalado em seu computador ou dispositivo móvel por onde você fará as compras online, ajuda a detectar sites que contenham arquivos maliciosos, vírus, malwares ou indicação de riscos de ataques de hackers. Por isso, é importante sempre mantê-lo atualizado. Hoje há no mercado diversos programas como o Kaspersky internet Security com versões de testes gratuitas e de assinatura.

 4. Pesquise sobre a reputação da empresa em sites de busca

É importante verificar se o site que está vendendo o produto possui um endereço comercial físico. A empresa também deve ter um CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas), que deve estar descrito no site com os dados cadastrais do comércio virtual. Também é importante que o usuário observe se o portal disponibiliza canais de relacionamento com o cliente e uma política de troca. São sinais simples, mas que podem fazer a diferença em casos de problemas com a mercadoria.

5. Buscar opiniões de outros consumidores que já realizaram compras no site em questão

Ler comentários de outros consumidores é essencial antes de efetivar a compra. Se basear em experiências de outros usuários e atentar-se às características dos itens são indicadores que os brasileiros levam em consideração durante o processo de busca. A descrição sobre a qualidade, desempenho e serviços também são importantes na hora de escolher o melhor produto.

Fonte: Security Report