Autor: Mateus Rodrigues

Sem rede, Base e Taguatinga não conseguem imprimir radiografias; governo diz fazer ‘plantão’ para resolver pane. Até as 19h de segunda-feira (24), não havia diagnóstico preciso, mas técnicos apontavam falta de atualização.

Fachada do Hospital de Base de Brasília (Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília)

Serviços públicos do Distrito Federal foram afetados, na tarde desta ultima segunda-feira (24), por um ataque cibernético a computadores do governo. Até as 19h, o governo confirmava problemas em máquinas da Secretaria de Saúde e de administrações regionais. Segundo o GDF, não houve acesso a dados de contribuintes.

Maior unidade de saúde da rede pública, o Hospital de Base suspendeu os exames de raio X por tempo indeterminado. O mesmo também aconteceu no Hospital Regional de Samambaia.

Responsável pela tecnologia do governo, a Secretaria de Planejamento afirma que o setor está “trabalhando em regime de plantão” para resolver o problema e normalizar a rede.

Até as 19h, também havia registro de máquinas atingidas no Metrô, na Secretaria de Educação, no Detran e no DFTrans. O G1 entrou em contato com esses órgãos, e aguardava retorno até a publicação da reportagem.

Até o início da noite, os técnicos da Secretaria de Planejamento “não confirmavam, nem negavam” a relação do vírus WannaCry – que afetou 150 países, em maio deste ano – com o ataque desta segunda. Apesar disso, segundo eles, é provável que as máquinas afetadas não estivessem com o sistema operacional e o antivírus devidamente atualizados.

A pasta também afirmou ao G1 que o “núcleo duro” do governo – Casa Civil, Casa Militar, Fazenda e Planejamento – não foi afetado pela invasão. Segundo o Planejamento, a atualização das máquinas depende diretamente do gestor de cada secretaria, órgão ou autarquia. A subsecretaria responsável pelo tema emite apenas as diretrizes, mas não faz a intervenção direta nas máquinas.

Sem raio X

Até que o problema seja solucionado, apenas pacientes graves terão direito às radiografias no Base. Segundo a Secretaria de Saúde, uma “instabilidade na rede GDFNet” impede que as imagens produzidas sejam reveladas.

Com isso, a radiografia só pode ser visualizada no próprio computador, inviabilizando o atendimento em larga escala. “Pacientes eletivos (marcados previamente) terão o exame reagendado para a data mais próxima possível, assim que o sistema voltar à normalidade”, diz o comunicado da Secretaria de Saúde.

Em relação ao problema no hospital de Samambaia, a pasta informou que os pacientes que precisarem do exame serão encaminhados à UPA da região e ao Hospital Regional de Taguatinga, que não sofreram o ataque cibernético.

 

Fonte: G1