Rejeição se mantém mesmo quando o compartilhamento é moeda de troca para benefícios como descontos, bônus ou serviços diferenciados.

Mais de um terço (34%) dos brasileiros não estão dispostos a compartilhar suas informações pessoais em troca de benefícios como descontos, bônus ou serviços diferenciados. A informação é de uma recente pesquisa global da GfK realizada em 17 países. No Brasil, foram mais de 22 mil entrevistados.

Os participantes foram convidados a indicar, em uma escala de 1 a 7, o quanto concordam ou discordam da afirmação: “estou disposto a compartilhar meus dados pessoais (saúde, finanças, trajetos, uso de energia, etc) para obter vantagens como descontos ou serviços personalizados”. O Brasil aparece como terceiro país em que as pessoas se dizem menos dispostas a compartilhar suas informações pessoais para obter benefícios ou vantagens, sendo que entre as mulheres brasileiras os índices de discordância são ainda mais altos, chegando aos 37%.

Na média global, 27% dos consumidores concordam com a frase, enquanto 19% discordam. Na comparação entre os países Alemanha (40%) e da França (37%) encabeçam a lista dos países onde a população mais rejeita o compartilhamento. Na outra ponta da escala, os consumidores chineses (38%), mexicanos (30%), russos (29%) e italianos (28%), são que mais se dizem dispostos a compartilhar seus dados pessoais.

Fonte: Computer World