As tentativas de ataques cibernéticos mais do que duplicaram durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro, segundo conta da startup desenvolvedora de antivírus PSafe. De acordo com a empresa, mais de 10 milhões de malware foram bloqueados no Brasil durante os Jogos – número que estaria 150% acima da média mensal de ataques.

São Paulo e Rio de Janeiro foram os estados com os maiores registros de tentativas, com mais de 2,7 milhões e 1,2 milhão de ataques respectivamente. E a principal ferramenta foram os Trojans, com mais de 5 milhões de detecções bloqueadas.

A empresa destaca, ainda, aumentos no número de vírus que cadastram usuários em serviços pagos de SMS e de ataques a portais – como o brasil2016.gov.br, site oficial do governo federal sobre os jogos, administrado pelo Ministério do Esporte, que ficou fora do ar por alguns minutos devido aos ciberataques.

O domínio rj.gov.br também recebeu ataque intenso de hackers, de acordo com o Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Rio de Janeiro Quem assume o ataque é o grupo Anonymous que intitulou a operação contra os jogos Rio 2016 de “OlympicHacking”, liberando um vídeo em seu canal no Youtube explicando os motivos das manifestações, além da publicação na página oficial do grupo.

Fonte: Convergencia Digital e Psafe