Comissão Nacional de Proteção de Dados da França deu três meses para a Microsoft resolver essas questões no sistema. Caso contrário, multa é de US$1,6 milhão.

O Windows 10 viola a lei da França ao coletar muitos dados pessoais dos usuários e falhar em protegê-los da forma correta, segundo a Comissão Nacional de Proteção de Dados da França (CNIL).

Algumas das falhas de privacidade identificadas pelo órgão podem ser remediadas por usuários dispostos a mergulhar fundo nas configurações do mais recente sistema da Microsoft. Mas um dos principais pontos da comissão é justamente o fato de que uma privacidade melhor deveria ser uma configuração padrão e não algo pelo qual os usuários precisem brigar para ter.

A CNIL enviou um aviso formal para a Microsoft em 30 de junho, dando 3 meses para a companhia de Redmond se adequar às leias francesas, mas apenas tornou o caso público nesta ultima quarta-feira, 20/07.

No total, a comissão conduziu sete testes dos dados enviados de volta para a Microsoft pelo Windows 10 em abril e junho deste ano. Entre os deslizes da Microsoft estão a coleta de dados sobre todos os apps baixados e instalados no sistema, e o tempo gasto em cada um, um processo que a CNIL considera excessivo e desnecessário.

 A Microsoft também falha em proteger de forma suficiente os dados dos usuários, aponta o órgão, ao permitir que os usuários protejam suas contas Microsoft contendo seus históricos de compras e meios de pagamento apenas com um PIN de quatro dígitos, e também permitindo tentativas ilimitadas para desbloquear a conta.

Caso a Microsoft não atenda às demandas da CNIL até o dia 30 de setembro, então poderá ter de pagar uma multa de cerca de 1,66 milhão de dólares pela fraca segurança do PIN, e valores menores pelos outros problemas.

De acordo com o órgão, a empresa também rastreia seus consumidores sem permissão, configurando e ativando um ID de publicidade quando o Windows 10 era instalado de forma a permitir que os apps enviem publicidade direcionada para os usuários. Além disso, a Microsoft coloca cookies de publicidade nos computadores sem dar uma opção para os usuários recusarem isso em primeiro lugar.

Vale destacar que a autoridade de proteção de dados de França não é a única da Euorpa que vem analisando o tratamento que o Windows 10 dá aos dados pessoais dos usuários. As outras autoridades possuem investigações em andamento sobre o assunto.

Fonte: IDG NOW!