As empresas de Tecnologia da Informação norte-americanas sofreram o impacto moral e financeiro das denúncias feitas pelo ex-espião, Edward Snowden, do uso de backdoor nos equipamentos pelos organismos de vigilância. Mas, agora, elas não parecem dispostas a serem usadas mais uma vez em nome do combate ao terrorismo. Em carta aberta ao mercado, divulgada nesta ultima segunda-feira, 23/11, companhias como Apple, Google, Microsoft, Samsung, Twitter, Facebook e outras rejeitam oficialmente a disposição dos órgãos de segurança, liderados pelos Estados Unidos, de enfraquecimento das criptografias como meio de combate aos terroristas.

No documento, o Conselho da Indústria de Tecnologia da Informação e Software, que representa 62 das maiores empresas de tecnologia em todo o mundo, ressaltou que “a criptografia é uma ferramenta de segurança que eles [os consumidores] dependem todos os dias para parar que os cibercriminosos não drenem suas contas bancárias, e para proteger carros e aviões sejam tomados por hackers, e de outra forma para preservar a nossa segurança”.

O uso de criptografia, que se tornou a base da internet para quase todas as transmissões que precisam ser seguras, voltou a ser o centro das discussões após os ataques terroristas em Paris. As empresas de tecnologia têm sido pressionadas, especialmente por funcionários da administração Obama, a encontrar maneiras de permitir que autoridades contornem a criptografia para investigar atividades ilegais, incluindo ameaças de terrorismo.

Os governos têm defendido que sejam criadas backdoors para várias formas de criptografia. “O enfraquecimento de criptografia ou a criação de backdoors para dispositivos e dados criptografados seria realmente criar vulnerabilidades a serem exploradas pelos bandidos, o que quase certamente causará danos físicos e financeiros graves para toda a sociedade e a economia”, disse o diretor-executivo do Conselho da Indústria de Tecnologia da Informação e Software, Dean Garfield, ao jornal britânico The Guardian.

Os ataques terroristas de Paris trouxeram o tema à mesa. O atual diretor da Agência Central de Inteligência dos EUA, John Brennan, assumiu a partir daí a linha: “Há muitas capacidades tecnológicas disponíveis que tornam excepcionalmente difícil, técnica e legalmente, para os serviços de segurança, terem as condições de descobrir. Acho que é hora, particularmente para a Europa, assim como nos Estados Unidos, de avaliarem se houve lacunas acidentais ou intencionais que criaram essa inabilidade de os serviços de segurança protegerem as pessoas. Espero que seja um toque de despertar.”

Em outra frente, o ex-diretor da NSA, Stewart Baker, foi a campo defender a ‘seção 215’, a parte da Lei Patriótica dos EUA em que se sustenta parte da coleta indiscriminada de dados. “Talvez seja o mês errado para abandoná-la”, destacou Baker. Ele se refere ao fim da validade da espionagem por esse caminho legal nos EUA – depois que o Congresso por lá não conseguiu aprovar a renovação desse dispositivo. Em tempo: embora haja mudanças, a espionagem continua com suporte legislativo por outros caminhos jurídicos.

Fonte:Convergênciaa Digital