O Brasil registrou 176.137 tentativas de fraude em setembro, aponta indicador da empresa de consultoria Serasa Experian. A pesquisa considera as situações em que dados pessoais são usados para firmar negócios sob falsidade ideológica. O número significa que a cada 14,7 segundos ocorre uma tentativa de roubo de identidade para fins ilícitos, como obter crédito com intenção de não honrar pagamentos.

Na comparação com setembro do ano passado, houve alta de 5,4% no indicador. Também houve aumento de 0,2% em relação ao mês anterior. No acumulado do ano (de janeiro a setembro), comparativamente ao mesmo período de 2013, houve queda de 5,2%. Os economistas da Serasa Experian explicam a alta em razão do maior número de dias úteis em setembro deste ano.

O setor de telefonia é o que apresenta maior número de registros, com 67.019 tentativas de fraude, o que equivale a 38% do total. O setor de serviços (construtoras, imobiliárias, seguradores e serviços em geral) ficou em segundo lugar, com 56.596 registros. Os bancos também ficam entre os primeiros do ranking, com 35.728 investidas contra o consumidor, 20,3% do total. O varejo, por sua vez, teve 13.397 registros de fraude.

Pesquisa feita ainda pela Serasa Experian identifica o perfil dos brasileiros com maior propensão a sofrer tentativa de fraude. De acordo com o estudo, os homens com idade entre 25 e 59 anos, renda de até dois salários mínimos (classe D) e moradores da região Sudeste do país são o principal alvo dos fraudadores.

Do total de alertas de tentativas de fraude emitidos pela Serasa Experian no período do estudo, 68% foram voltadas para pessoas do sexo masculino, enquanto 32% tiveram como foco as mulheres. “Muitas dessas tentativas de fraudes são cometidas por homens presencialmente, por isso os fraudadores preferem utilizar documentos de pessoas do sexo masculino”, explica Marcelo Kekligian, presidente da unidade de negócios de Decision Analytics da Serasa Experian.

Fonte: Convergencia Digital