O custo médio anual do crime cibernético para as empresas nos Estados Unidos foi de US$ 12,7 milhões, o que representa um aumento de 96% desde o início da coleta de dados, há cinco anos, que vem sendo realizada pelo Ponemon Institute, cujo estudo, em 2014, foi encomendado pela HP.

Os resultados também revelam que o tempo necessário para solucionar um ataque cibernético aumentou em 33% durante o mesmo período, com custo médio incorrido variando de US$ 1,6 milhão a US$ 61 milhões para solucionar um único ataque.

O tempo médio para solucionar um ataque cibernético foi de 45 dias, enquanto o custo médio incorrido no período foi de US$ 1.593.627,00 — o que representa um aumento de 33% em relação ao custo médio estimado no último ano, de US$ 1.035.769,00, para um período de 32 dias.

O levantamento constata ainda que as empresas observaram um aumento de 176% no número de ataques cibernéticos, com uma média de 138 ataques bem-sucedidos por semana, comparada aos 50 ataques por semana quando foi conduzido o primeiro estudo em 2010.

Além disso, o tempo médio necessário para detectar um ataque mal-intencionado ou malicioso observado em uma amostra global de organizações foi de 170 dias. O maior tempo médio segmentado pelo tipo de ataque foi de 259 dias e envolveu incidentes relacionados a invasores internos mal-intencionados.

Os crimes cibernéticos mais caros são os causados por negação de serviço (DDoS), invasores internos mal-intencionados e código mal-intencionado. Eles são responsáveis por mais de 55% de todos os custos do crime cibernético por organização anualmente. O roubo de informações é responsável por 40% dos custos externos totais, uma redução de 2% na média dos cinco anos.

A interrupção dos negócios ou perda de produtividade representa 38% dos custos externos, um aumento de 7% na média dos cinco anos. A recuperação e detecção são as atividades internas mais caras, responsáveis por 49% do custo anual com atividades internas, sendo que a saída de dinheiro e a mão de obra direta representam a maior parte desse custo.

Fonte: Convergência Digital