peritoEspionagens, fraudes bancárias, golpes virtuais, invasões de computadores, assuntos como esses são cada vez mais frequentes, tanto na internet, como nos noticiários. Com isso, aumenta a procura por um profissional que saiba rastrear crimes cibernéticos ou preveni-los.

Setores do governo, polícia e grandes corporações procuram mais profissionais capacitados para executar este tipo de trabalho, são os peritos digitais.

O especialista forense computacional é o responsável, entre outras ações, por rastrear um criminoso virtual. Durante a investigação policial, é imprescindível que o profissional tenha conhecimento de como a informação trafega, identificar o problema na raiz, ou seja, fazer o caminho contrário e descobrir de onde veio a mensagem.

Imagens, celulares, computadores, são áreas de atuação do perito digital, portanto fica claro que cada vez mais, este tipo de profissional é requisitado.

Para Jeferson D’Addario, coordenador e professor dos cursos de Pós-Graduação em GTSI – Gestão e Tecnologia em Segurança da Informação e do curso de Investigação de Fraudes e Forense computacional, na Faculdade Impacta Tecnologia (FIT) de São Paulo, a área forense computacional será um dos ramos que mais devem crescer nos próximos anos.

“A criminalidade cibernética aumenta em números alarmantes, com isso, a necessidade de proteção é fato. Muitos alunos têm conseguido bons empregos antes de concluir a pós-graduação, e muitos outros profissionais já empregados, procuram a faculdade para aperfeiçoar seu conhecimento.

Entretanto, o professor afirma que não basta apenas ter conhecimento técnico se tornar perito digital. É necessário aprender ter domínio das questões jurídicas, comportamento e processos de investigação.

Para que a demanda seja atendida e o profissional devidamente capacitado, muitas faculdades, como a Impacta Tecnologia, então investindo com empenho em cursos, palestras, workshops e novas tecnologias.

Fonte: Computerworld