Autora: Giovana Pennatti

Como as polêmicas de apps que expõem sua intimidade ficaram no ano passado, em breve será lançado um que também tem cara de que vai causar bastante polêmica quanto a privacidade: chamado NameTag, ele deve ser lançado para Android, iOS e Google Glass e utiliza reconhecimento facial para encontrar pessoas na internet.

De um jeito prático, é como se você pegasse o celular ao ver um gatinho no metrô, tirasse uma foto e o app a enviasse para os servidores do NameTag, que irão tentar combinar com milhões de imagens na web e encontrar seus perfis em redes sociais por meio das fotos postadas neles. A empresa responsável pelo aplicativo também trabalha na possibilidade de encontrar a pessoa direto em sites de relacionamentos, como o OkCupid e tal.

nametag_slide1

Meio arrepiante, não? O lado bom é que quem não quiser ser encontrado pode se descadastrar no site, já que, segundo o CEO Kevin Alan Tussy, a intenção é ajudar a conectar pessoas que queiram se conectar com outras. Ele também acredita que o aplicativo pode deixar as interações mais seguras ao saber de antemão quem é a pessoa – nos EUA, o NameTag também irá combinar as fotos com as de criminosos, podendo ajudar a encontrar foragidos.

Outra possibilidade de “uso para o bem” que está sendo desenvolvida é definir o que aparece em horário comercial e o que aparece no resto do tempo. Isso mostra um grande potencial corporativo do NameTag: se for possível fazer com que o scan do seu rosto leve ao seu perfil do LinkedIn, pode-se fazer contatos profissionais sem precisar de um cartão. Falta ver o quanto isso é mais útil que trocar um cartão.

O aplicativo ainda não está disponível e nem tem uma data definida, apenas a promessa de que será “em breve”. Mas ele corre riscos de ser barrado, pelo menos na loja de aplicativos do Google Glass, já que apps de reconhecimento facial são contra as políticas dela. Ainda assim, está disponível para beta testers.

Fonte: Tecnoblog