iphone5s_43502O recurso Touch ID, que permite ao usuário destravar o iPhone 5S por meio da sua impressão digital, fez com que alguns usuários temessem pela sua segurança em caso de um possível assalto. No entanto, especialistas afirmam que a tecnologia não funciona com um membro amputado.

O sensor de impressões digitais do sucessor do iPhone 5S utiliza sistema de scan com rádio frequência para detectar diferentes camadas da pele do dedo, o que exige que o dedo da pessoa esteja vivo e conectado à sua mão.

A tecnologia é construída de uma maneira que a imagem da impressão digital precise ser tirada de um dedo vivo”, afirma Sebastien Taveau, diretor de tecnologia da empresa especializada em soluções biométricas Validity Sensors.

Segundo ele, as empresas desse segmento da indústria não querem falar sobre coisas como dedos cortados. “Mas no fim do dia ainda nos pedem para tirar os medos do consumidor e nos certificarmos que eles entendam que um dedo amputado não vai funcionar.” Vale notar que isso não impede que o dono do iPhone 5S seja eventualmente forçado a desbloquear o aparelho durante um eventual assalto.

 “Com a Apple fazendo isso agora, ao realmente criar uma experiência, eles estão educando o mercado, o que é muito importante… Espere ver o Android começar a fabricar esses tipos de aparelhos nos próximos meses”, afirma.

Leia Também:

Sensor biométrico do iPhone 5S é insuficiente

As fechaduras biométricas viraram item de fábrica no mercado imobiliário

Biometria: uma revolução na identificação pessoal

Fonte: MacWorld