O Brasil ainda tem muito mercado para expandir o big data. Uma pesquisa realizada pela EMC Brasil, com 113 empresas nacionais, e divulgada nesta quarta-feira, 07/08, na 10ª edição do EMC Forum, realizado na capital paulista, mostra dados reveladores. O estudo aponta que 50% dos participantes acreditam que vão recuperar seus dados após ataques de hackers ou perdas determinadas por problemas lógicos ou físicos. Além disso, 43% das empresas não têm qualquer projeto de big data. “Há um problema cultural relevante para ser tratado no Brasil. O grande ponto positivo é que a maioria das empresas – 80% – está disposta a entender e aprender o que é o big data e o impacto dele nos negócios. Admitir que não conhece um tema é o primeiro passo para se conseguir fechar acordos de uso de tecnologia”, ressaltou Carlos Cunha, diretor geral da EMC Brasil.O levantamento apura ainda que o grande motivador para aportes em computação em nuvem e big data segue sendo a redução de custos. Mas a maioria  -93% – informou que as decisões das organizações poderiam ser aprimoradas com o melhor uso do big data. Ainda no estudo se constata que as ferramentas de big data mais populares são análise preditiva – 13% – gerenciamento de conteúdo corporativo – 12% e Hadoop e arquiteturas distribuídas – 10%. As prioridades comerciais para a transformação da TI no Brasil são soluções para desenvolvimento de produto – 33% – e processos de negócio/eficiência operacional -25%. “Aqui no país o custo ainda está à frente do retorno de investimento. E isso influencia na tomada de decisão”, salienta Cunha. E, exatamente por isso, constatou o executivo o dado mais preocupante do estudo é a questão da recuperação de dados. “Metade das empresas trabalha com a possibilidade de perder seus dados por ataques ou problemas. Isso precisa ser trabalhado mais”, acrescenta.

Fonte: Convergencia Digital

image