Agência de Segurança Nacional dos EUA, também conhecida como NSA, tem aparecido bastante nos noticiários ultimamente. Ela está diretamente envolvida na polêmica do PRISM, o programa do governo americano que permitiu à agência acessar os servidores das maiores empresas de tecnologia e ter acesso às informações pessoais de todo mundo. Ou seja, ela provavelmente tem acesso aos emails de muita, mas muita gente, e consegue pesquisar o que quiser neles. Mas, ironicamente, a NSA não consegue fazer isso nos seus próprios emails.

Cindy Blacker, que é oficial de liberdade da informação da NSA (seja lá o que isso significa), disse a Justin Elliot, repórter do site ProPublica, que “infelizmente, não há um método central para buscar um email atualmente da maneira que nossos registros estão configurados”.

Ele obteve essa resposta ao pedir para ter acesso a uma troca de emails entre a NSA e o National Geographic a respeito de um documentário que o canal fez sobre a agência. Então, Blacker solicitou que Elliot fosse mais específico, já que as buscas só podem ser feitas individualmente, ou seja, usuário por usuário – e há mais de 30 mil funcionários na NSA.

Ou seja, segundo a oficial, a agência não tem como fazer pesquisas em todos os emails enviados por funcionários, o que é um tanto quanto curioso. Não apenas pela ironia de ser a NSA, mas também porque, se for preciso fazer alguma investigação interna, como é que fica?

Segundo Blacker, o sistema é “um pouco antiquado e arcaico”. Mas tem uma parte de mim que prefere acreditar que, por qualquer motivo, eles optaram por não divulgar a tal troca de mensagens com a National Geographic e deram essa desculpa para o repórter. Ou, então, a impossibilidade de buscar emails é uma medida de segurança para garantir que as conversas sejam mais difíceis de rastrear.

Em todo caso, é bem irônico, não?

Fonte: Tecnoblog (por Giovana Penatti)